Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título/Title/Titulo

Avaliação clínica da aplicação de células tronco mesenquimais de tecido adiposo para o tratamento de úlcera de córnea persistente em cães: estudo piloto.

Introdução/Introduction/Introdución

A úlcera persistente, denominada recentemente na oftalmologia veterinária como Defeito Epitelial Corneano Crônico Espontâneo (SCCED) é uma ceratite ulcerativa superficial, refratária e crônica que se manifesta em cães de meia idade, de raças variadas sendo frequententemente descrita na raça Boxer. Clinicamente a SCCED se apresenta com uma solução de continuidade superficial, não infectada, com borda epitelial não aderida ao estroma adjacente. Apesar da fisiopatologia da doença não estar totalmente esclarecida, são descritas anormalidades morfológicas e funcionais da córnea que retratam dificuldade na cicatrização. Diversos trabalhos sugerem tratamentos clínicos que nem sempre são eficazes, sendo necessária a intervenção cirúrgica. Apesar dos procedimentos contribuírem para a cicatrização da córnea, são invasivos e necessitam de anestesia geral, logo, o tratamento pode ser bastante desafiador e exigir cuidado e medicação frequente por um tempo prolongado.

Objetivos - Metodologia - Resultados - Discussão dos Resultados/Objectives - Methodology - Results - Discussion of Results/Objetivos - Metodología - Resultados - Discusión de los resultados

O presente estudo piloto trata-se de uma série de casos que teve como objetivo avaliar clinicamente a cicatrização das úlceras de córnea persistentes em cães após a aplicação tópica de células tronco mesenquimais (CTM) de tecido adiposo heterólogo, foram avaliados 10 olhos de cães com SCCED e que não apresentavam nenhuma outra comorbidade que contra-indicasse o uso das CTM. Foram feitas 5 aplicações tópicas seriadas de CTM devidamente caracterizadas, na concentração de 106 (Laboratório Regenera Stem Cells®) diluídas em 0,1 mL de solução fisiológica. Foram feitas avaliações posteriores à aplicação até a cicatrização da lesão, de acordo com os critérios baseados na escala adaptada de Hackett–McDonald Ocular Scoring System: blefaroespasmo, congestão e descarga conjuntival, aferição da superfície ocular, severidade da opacidade, vascularização e pigmentação corneana, além do tempo de cicatrização. O tempo médio para a primeira avaliação (T1) foi de 8 dias (±3,5) e 2/10 casos (20%) apresentaram cicatrização, 4/10 casos (40%) tiveram a cicatrização na segunda avaliação (T2), com tempo médio de 19 dias (±9,1), na terceira avaliação (T3) 2/10 casos (20%) haviam cicatrizado em um tempo médio de 20 dias (±2,2), 1/10 casos (10%) teve a cicatrização com 38 dias e outro, 1/10 casos (10%), foi observada com 46 dias. Todos os animais permaneceram saudáveis ao longo do acompanhamento, apresentaram cicatrização das úlceras de córnea após a terapia, ao final da última avaliação foram observados graus variados de vascularização corneana superficial em 8/10 (80%), congestão conjuntival 4/10 (40%) opacidade de córnea em 7/10 casos (70%), descarga conjuntival (secreção seromucosa) em 4/10 casos (40%), pigmentação corneana 6/10 (60%) e formação de tecido de granulação em 2/10 casos (20%), sinais clínicos estes que também são observados no processo cicatricial após a técnica de desbridamento cirúrgico descrito na literatura.

Considerações Finais/Final considerations/Consideraciones finales

Apesar de mais estudos comparando a aplicação de terapia celular com outras terapêuticas serem necessários, os resultados deste trabalho sugerem que a aplicação tópica das CTM, tem potencial terapêutico para a cicatrização do SCCED, levando em consideração a sua ação por meio da secreção de fatores tróficos e citocinas, efeitos imunomoduladores e sua capacidade de transdiferenciação, trata-se de uma técnica segura, minimamente invasiva, que não requer anestesia geral e que promoveu cicatrização em 100% dos casos.

Palavras-chave/Key words/Palabras clave

célula tronco mesenquimal adulta; úlcera indolente; cão; defeito epitelial corneano crônico espontâneo.

Área

Mesenchymal stem cells/adultas

Autores

RODOLFO MALAGO, MAURA KRÄHEMBÜHL WANDERLEY BITTENCOURT, ALEXANDRE LUIZ PEREIRA, MICHELE ANDRADE BARROS, BRUNA PEREIRA MORAIS, MATHEUS DOMINGUES BITTENCOURT, ALEXANDRE SOUZA SILVA, IRINA KERKIS, JOSÉ PAULO CABRAL VASCONCELLOS