Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título/Title/Titulo

Desenvolvimento de cerâmicas bactericidas e de elevada bioatividade para aplicações odontológicas

Introdução/Introduction/Introdución

Desde o seu desenvolvimento no final da década de 1960, as cerâmicas bioativas têm se mostrado promissoras para várias finalidades por possuírem um conjunto excepcional de propriedades, como a capacidade de se degradarem a uma taxa controlável e serem convertidas em hidroxicarbonatoapatita (HCA) para se ligarem ao tecido ósseo e tecidos moles. Além disso, ao liberarem certa quantidade de íons durante a degradação, induzem processos celulares que são favoráveis à regeneração in situ dos tecidos, como a migração, proliferação e diferenciação celular.

Objetivos - Metodologia - Resultados - Discussão dos Resultados/Objectives - Methodology - Results - Discussion of Results/Objetivos - Metodología - Resultados - Discusión de los resultados

Neste estudo, avaliamos a bioatividade in vitro e a atividade antibacteriana de cerâmicas cristalinas à base de sílica contendo até 3% em mol de Ag, Mg, Sr, Zn Ga e B, elementos que são atrativos para uso como agentes terapêuticos. No teste de bioatividade in vitro, realizado pelo novo método proposto pelo Comitê Técnico 4 (TC04) da Comissão Internacional de Vidros (ICG) para contornar as limitações que a ISO 23317 tem em relação à materiais particulados, os materiais exibiram formação de HCA em suas superfícies a partir de ensaios com duração de 24 horas — mesmo tempo observado para o Bioglass®, material considerado ʺgold standardʺ nesse segmento. Em relação a atividade antibacteriana, foram testadas 23 bactérias do meio oral relacionadas à cárie e infecções endodônticas empregando-se três métodos diferentes: diluição em ágar, capacidade de formação de biofilme e contato direto. Para o método de diluição em ágar, utilizando-se concentrações na faixa de 0,5 a 24 mg/mL, encontramos resultados suscetíveis para várias bactérias anaeróbias e aeróbias/microaerofílicas testadas, sendo os menores valores de concentração inibitória mínima (CIM) relativos as amostras dopadas, especialmente aquelas contendo Ag. No ensaio de capacidade de formação de biofilme, não observamos nenhuma célula viável após 24 horas de incubação para todas as amostras testadas. Para finalizar, nos ensaios de contato direto todas as amostras apresentaram um efeito antibacteriano considerável, promovendo uma redução drástica no número de células viáveis após apenas 10 minutos de contato com os microrganismos.

Considerações Finais/Final considerations/Consideraciones finales

Assim, testando o novo método TC04 para avaliar a bioatividade in vitro dos materiais, constatamos que ele também é válido para materiais cristalinos. O método é de fácil implementação e rápido, além de necessitar de pouca amostra. Avaliando a atividade antibacteriana dos materiais, ficou evidente o expressivo efeito que apresentaram contra um grande número de bactérias do meio oral, relacionadas a cáries e infecções endodônticas. Por terem apresentado amplo espectro de atividade em baixas concentrações e por terem sido extremamente efetivos no contato direto, os materiais aqui desenvolvidos são habilitados para utilização em diferentes aplicações, como tratamentos de defeitos ósseos orais, desinfecção do canal radicular e em procedimentos de profilaxia dentária.

Palavras-chave/Key words/Palabras clave

Biocerâmica, cerâmica bioativa, bioatividade in vitro, atividade antibacteriana, profilaxia dental

Área

Biomaterials

Autores

RENATO LUIZ SIQUEIRA, Carlos Henrique Gomes Martins, Luciano Tavares Angelo Cintra, Oscar Peitl, Edgar Dutra Zanotto